Colegas

Fui com sede ao pote, ‘Colegas’ (filme de 2012, dirigido por Marcelo Galvão) não é lá isso tudo. A fotografia é maravilhosa, encanta pelas paisagens e é adocicada pela trilha sonora, mas a narrativa surreal força uma situação pouco convidativa (que é agravada pelo diálogo desconexo e sem ritmo). Não há como negar uma simpatia espontânea pelos personagens principais, nem a boa intenção de quem produziu todo o longa, mais apesar da delicadeza, o filme deixou um ‘quê’ de quero mais.

Colegas

O filme conta a história de três amigos que inspirados pelo filme ‘Thelma e Louise’ roubam o carro do vigilante (Lima Duarte) do instituto onde vivem para fazer uma viagem. Cada um saí em busca de realizar um desejo: o de Stalone (Ariel Goldenberg) é conhecer o mar.  O sonho de Aninha (Rita Pokk) é de se casar e o sonho de Márcio (Breno Viola) é de voar. No entanto, os três se envolvem em uma sequência de crimes e passam a ser tratados como perigosos fugitivos pela polícia local.

Todo o filme exige uma capacidade de transgressão muito grande e a valorização que se dá ao mundo lúdico que acompanha as situações vividas pelos personagens fica muito clara. Aliás, é interessante como o filme ironiza (com muito bom humor) a dificuldade que os portadores de síndrome de down enfrentam cotidianamente. Quanto a isso, não dá pra negar que a função do filme foi cumprida.  A mensagem de superação é muito bonita, os três personagens estão sozinhos e mesmo assim, conseguem o que desejam.

Cena-do-filme-Colegas-de-Marcelo-Galvao-que-e-protagonizado-por-portadores-de-Sindrome-de-Down-size-598O problema é que há um excesso de fofura. Somos levados não só a olhar o mundo dos três personagens como também: fazer parte dele. O que poderia ser um humor leve se torna um pastelão (repletos de clichês): policiais atrapalhados, uma imprensa plastificada, um gay estereotipado e uma série de diálogos bonitos (mas óbvios). Gosto, especialmente do perfil literário do filme. Lima Duarte como narrador faz com que a trama fique mais gostosa e mais rica, é ele que explica de onde surgiu o desejo dos personagens e qual é o rumo de cada um deles.

Esses pequenos defeitos fazem com que o filme fique um pouco cansativo, mas você pode gostar se for acostumado com esse tipo de perspectiva. No mais, o longa é um filme que guarda uma bela mensagem, que fica escancarada já nas primeiras cenas: ‘As pessoas são como tapete. “De vez em quando, precisam de um chacoalhão”.

Confira o trailer:

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s