Desculpe a intromissão. Senhor Lee?

Imagem

@greenseaweed

Enrosca-se nessa teia construída de temor e solidão. Morda a própria língua ao gritar que ama alguém de forma visceral e reconheça que sua maior fraqueza é tentar impedir  – em tempos de socorro – que sua piedade e sanidade quase profana destrua sua vida e seus sonhos. Junte seu dinheiro e aos poucos, jogue-os de um prédio, durma dura em uma cadeira de hospital. Sente-se na rua e sangre, e morra. E se envergonhe, se culpe. A culpa é sua mesmo e não dá pra sentir pena. Não existe bondade nos dias de hoje, sacrificar-se é mostrar-se tão imperfeito quanto qualquer outro. Te amo, te odeio! Rasgue sua alma, corte seu cabelo e anteceda ao som. Durma tremendo, de medo e de frio.  Aquecer-te? Só a desgraça que você mesma construiu e que implora que a abandone a cada passo que dá, atrás. Morra! Morra, mas não me leve junto, porque mesmo na abundância, mesmo no nojo, no vômito, no sono… mesmo assim, eu vou pra frente e juro, nunca mais vou te condenar por ficar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s