Helena Rojo, 70 anos!

Helena RojoHelena Rojo completou 70 anos moçada! Isso mesmo, não foram 70 dias, nem horas ou meses… Helena Rojo completou 70 lindos anos, graciosamente. Quem acompanha o La Amora sabe que eu sou perdidamente apaixonada por ela e que sempre que posso, acompanho seus trabalhos e comento seus filmes.

Eu fiquei pensando sobre o que poderia escrever e finalmente, tomei coragem para fazer um vídeo! (É, eu sei…). Mas, deu tudo errado, a começar pela bateria, depois pela memória da câmera e depois pela dificuldade de passar para o computador. Na correria, desisti de terminar, droga! (Mas é porque também não deu tempo, até tudo se resolver, já estava eu, agarrada com as coisas do jornal em que trabalho).

 Não consegui falar tudo o que queria e olha que falei demais. Só para completar, queria acabar de enumerar os dois momentos da novela “O Privilégio de Amar” que me marcaram: O primeiro, como contei, foi o momento em que a Luciana encontra o Andres com outra mulher na banheira. O segundo (e eu lembro como se fosse ontem!) foi a cena em que a Luciana leva uma facada da Tamara. Naquela cena, meu mundo caiu e eu fiquei extasiada, com o coração na mão! E o terceiro foi a cena final da novela, quando todos os atores se juntam na mansão da Luciana, dão as mãos e agradecem o publico. Aquela música maravilhosa ao fundo e aquele aspecto teatral, me fez arrepiar. Lembrando, eu tinha 7 anos e me recordo de tudo, como se fosse ontem.  Sobre o autógrafo, vou colocar uma foto para vocês verem que não é mentira, guardo com muito carinho.

Ta aí, o autógrafo... dei uma leve escondida no meu rosto... percebe-se

Ta aí, o autógrafo… dei uma leve escondida no meu rosto, porque né…

Eu estive pensando sobre a cena em que a Luciana leva uma facada da Tamara e me dei conta de que ela é tecnicamente muito bem bolada. Vocês repararam que a Luciana está de branco né? Pois é, o branco não só causa um forte contraste com o vermelho (do sangue), como também reforça a aura positiva da personagem, quer dizer, naquele momento, a Luciana está se redimindo de todas as maldades que cometeu contra a Cristina. E reparem no movimento da câmera, em sua instabilidade – chamando atenção para a loucura da Tamara. Gente, eles filmaram em contra-plongeé! Cena belíssima:

Advertisements

2 thoughts on “Helena Rojo, 70 anos!

  1. Jessica diz:

    Que coisa boa chegar aqui e dar de cara com… um VÍDEO seu! Sério, faça mais! Você é linda, tem uma voz muito agradável de ouvir. E adorei, adorei. Fiquei em choque quando terminou subitamente 😦

    Eu disse que gosto muito dela, da Helena? Lembro que meu personagem preferido em Privilégio de Amar era a Luciana também… agora lendo e ouvindo essas coisas tão bonitas sobre a carreira dela (como o carinho pelos fãs), me faz gostar mais dela. Não sabia que ela tinha feito carreira no cinema, uau! Depois que vi La casa de pelicano com a Jacqueline Andere (uma ótima indicação sua, aliás), fiquei muito curiosa para descobrir mais sobre a carreira cinematográfica dessas lindas. Tu achou os filmes no Youtube mesmo?

    O texto que fiz sobre o sentido foi inspirado no que uma amiga me disse e que provavelmente estará no discurso de formatura (ela é a oradora): o sentido é a gente quem constrói, ele nunca vem pronto. Quando tu enfia isso na cabeça, fica um pouco mais fácil de viver. Tu tem planos de fazer algo relacionado a cinema? Mês que vem vou começar uma oficina de roteiro, decidi me dar esse luxo. Meu lado Havilland ainda está forte, mas acabei tomando uma atitude drástica para deixá-lo um pouco de lado: começo a dar aula de francês semana que vem. Relutei muito tempo, afinal minha formação é de tradutora, mas acabei sucumbindo e enfrentando. E aí tu pensa: “mas que droga, por que tenho que fazer algo que eu não queria fazer?” e fica naquele looping eterno de sofrimento. Agora, depois de várias semanas, comecei a ver o lado positivo. Mas é uma luta constante, espero que tu não esteja surtando por isso!

    Cara, que legal que tua mãe se casou, parabéns pra ela! O importante é ela estar feliz com a escolha que fez. Nós, como filhas, temos que apoiá-las e mostrar que estamos felizes simplesmente pelo fato de elas estarem felizes. Minha mãe não se casou, mas reconstruiu a vida, eu dou muita força. Minha avó não gosta e nem minha tia… but who cares? Acho incrível quando elas nos mostram que devemos ser mais Bette Davis nessa vida.

    Sobre o post das Diabólicas: AMEI! Achei tão legal que tu dispensou as análises fílmicas e falou do que tu sentiu assistindo. Também acho que existia algo nas mulheres de antigamente que as deixava classudas, mesmo as que eram “feias”. Acho que tu consegue ver isso muito bem ao ver vídeos caseiros daquela época, aqueles coloridos, sabe? As mulheres se vestiam melhor, talvez isso nos dê a impressão de elas eram mais bonitas? Isso me frustra muito, o fato de que as roupas agora seguem padrões e que a gente compre-as em lojas, etc etc. Sei que se for mandar fazer sairia muito caro, mas quer saber? Depois que fiz meu vestido com a costureira, percebi como a roupa muda completamente nossa imagem. (e também por causa da relação da Barbara Stanwyck com a Edith Head, mas isso fica pra outro comentário!)

    Eu não acredito que tu conseguiu sacar o que aconteceria no final! Como assim? Não percebi, o filme me enganou muito bem, putz. Menina, sabe que também comentei sobre as roupas no post que fiz para meu outro blog sobre cinema. O Clouzot me parece trabalhar com a dualidade o tempo inteiro. Lembra aquele livro que te falei sobre romance policial francês na cultura do pós-guerra? Lembro que a autora comentava sobre o fato de toda a autoridade era desintegrada no filme, digo a escola mesmo e os professores. E a própria instituição casamento, né. Foi uma forma que o diretor encontrou de criticar a sociedade francesa.

    Me senti aterrorizada nas cenas em que Christina caminha pela escola no escuro. É muito tenso, tu sabe que vai acontecer algo, o barulho da máquina de escrever te deixa ainda mais nervoso. A gente tem um ataque do coração junto com a personagem no final, hahaha! Sobre a cena da comida, putz, fiquei com um ÓDIO dessa cena que tu não tem ideia. Digo, é uma demonstração tão clara de machismo, de que Christina era uma possessão pra ele que eu não posso me controlar.

    O filme da Joan que tu mencionou seria Sudden Fear? Vi uma vez, tenho que rever… como uma boa amante de filmes noir que sou!

    Falando sobre Uma rua chamada pecado 1995: tive as MESMAS impressões que tu! Foi muito difícil me desvencilhar da imagem que Vivien Leigh construiu, aí a gente percebe como o cinema tem essa coisa de imortalizar o ator X no papel Y. Por exemplo, nunca imaginaria outra pessoa interpretando a personagem da Ingrid Bergman em Casablanca. A Lange faz um ótimo trabalho, mas como tu disse, demora pra gente começar a se deixar levar por ela. Acho a Blanche da Lange mais artificial do que a da Vivien Leigh em algumas partes, mas isso é bom, visto que a personagem, pelo menos pra mim, é a artificialidade em pessoa. Sabe que sempre achei que a Blanche correspondia ao Stanley? O filme de 51 nos dá algumas pistas, só que de um jeito muito sutil. Quando vi pela primeira vez, eu podia jurar que eles terminariam juntos! Aliás, esse foi um dos filmes que tive que rever muitas vezes para entender tamanha a densidade. Minha mãe me deu de presente na época em que comecei a descobrir cinema… já faz algum tempo. Não gostei do Alec Baldwin 😦 Não teve jeito, não gostei. Talvez seja uma questão de rever a versão com ele também. A impressão que tive foi a de que ele interpretava o Stan de um jeito caricato, fiquei procurando aquela “macheza” que o personagem demanda e nada de achar. (pausa para as fofocas: Vivien e Marlon tiveram um caso durante as filmagens, uau!)

  2. Jessica diz:

    E sim, a Joan Rivers é debochada e preconceituosa, ela me envergonha várias vezes. Mas assista esse vídeo aqui, da década de 60… me assusta vê-lo e pensar: AINDA É ASSIM!

    Sobre as Kardashians, também acho tudo artificial, mas de vez em quando é bom ver que elas também se dão mal, hahaha!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s