Cartomante

A internet, os celulares e a facilidade de compartilhar informações são processos indiscutivelmente primorosos. Hoje não se perde tempo, você pode mostrar o bebê que acaba de nascer para uma série de amigos que compartilham perfis em uma mesma rede social. Assim funciona com as ideias, com as correntes, com as notícias. Ruins ou boas, lá estão elas, disponíveis a apenas um clique.

Meus amigos tem medo do futuro, eu também. Um sentimento normal, cercado de insegurança, ilusões e teorias. Mas não se trata de um medo tolo, de um medo que perpassa apenas pelo âmbito individimagesual. Quando temos medo, pensamos no coletivo. Tudo parece ser uma porta para a violência alheia. Não se tem medo do desconhecido, sabemos quem é o inimigo. O inimigo é o outro. Sabe aquela frase “Tenho mais medo dos vivos do que dos mortos”?  Nunca fez tanto sentido.

Não se pode confiar no bandido, mas também não se confia na polícia. Desconfiança até de quem, teoricamente, deveria te proteger. E os noticiários, com essa chuva de informações (fáceis, rápidas, pequenas e acessíveis) reforçam essa sensação de insegurança e impotência. O pai e a madrasta mataram o filho, uma criança de onze anos.

Mas, já imaginou o número de outras crianças (idosos, deficientes, indefesos) que estão em uma situação semelhante: de desproteção e dor? O poema de Augusto dos Anjos, talvez um pouco fora do contexto, surge como um convite à reflexão: “A mão que afaga é a mesma que apedreja”.  Em quem confiar?

Gays sendo espancados nas ruas. Não é permitido “ser”, não incomode, não questione. Animais sendo brutalmente agredidos. Não se sinta culpado, você não pode fazer nada, não estava lá – mas e se estivesse, o que faria? O quê fazer? Para onde correr? Onde vamos parar?

Cartomante, uma música imortalizada pela voz da Elis Regina me vem em mente. É perfeita, se adequa bem ao tema. Não importa se é “Espadas, Ouros ou Paus”, como diria Elis, “Não fica nada” Sabe o que eu entendo com essa letra? (que, por sinal, adoro desde pequenininha). Que um dia, todos nós, não interessa de onde somos, ou quem somos ou o quê possuímos. Que todos estamos sujeitos, desprotegidos, inseguros, incertos. Que fundo, frente a violência, a vida e a morte, somos todos iguais.

“Nos dias de hoje é bom que se proteja
Ofereça a face pra quem quer que seja
Nos dias de hoje esteja tranqüilo
Haja o que houver pense nos seus filhos

Não ande nos bares, esqueça os amigos
Não pare nas praças, não corra perigo
Não fale do medo que temos da vida
Não ponha o dedo na nossa ferida

Nos dias de hoje não lhes dê motivo
Porque na verdade eu te quero vivo
Tenha paciência, Deus está contigo
Deus está conosco até o pescoço

Já está escrito, já está previsto
Por todas as videntes, pelas cartomantes
Tá tudo nas cartas, em todas as estrelas
No jogo dos búzios e nas profecias

Cai o rei de Espadas
Cai o rei de Ouros
Cai o rei de Paus
Cai não fica nada”

Advertisements

One thought on “Cartomante

  1. Jessica diz:

    Para começar, sou apaixonada por essa canção da Elis. Uma amiga me apresentou há alguns anos atrás, e é tão LINDA, ô meu deus.

    Não sei se tu tem essa sensação, se sempre foi assim e eu não percebia, mas nunca vivemos tempos de incerteza como esses. Sei lá, tu liga a televisão e estão os candidatos à presidência falando sobre redução da maioridade penal, em dar injeção pruzhomi não terem mais ereção e por consequência pararem de estuprar e todo tipo de coisa. Querendo tapar o sol com a peneira, mas sem se darem conta da real causa do problema. O conservadorismo me assusta demais, talvez ele sempre estivesse aqui, mas acho que dos últimos anos pra cá cresceu demais. Estamos tão ou mais conservadores quanto os franceses e suas políticas para expulsar os “não-franceses” de seu território. Dá medo.

    Essa pessoa de quem falei nos três textos é incrível, sim. Quando você fala que nunca esquecemos a pessoa, que ela adormece em nós, consigo visualizar com bastante clareza o que tu quer dizer. Foi o que aconteceu com essa pessoa. Nós não nos víamos pessoalmente desde 2011, então os sentimentos, digamos, adormeceram. Ficaram apenas as lembranças. Revê-la é como um redespertar, com novos fatos para eu alimentar no meu imaginário. A situação é um pouco mais complicada do que parece, há uma diferença enorme de idades, há uma extrema falta de comunicação em relação aos meus sentimentos. Há um desejo meu de deixar como estar, sei que poderia estragar tudo se resolvesse dizer algo, pois para além da diferença de idades, da heterossexualidade, ela é amiga da minha mãe! Desculpe desabafar assim. Não sei se você já se sentiu sem saber o que fazer com o seu “lado gay” que quer sair, que quer se libertar e você insiste em prendê-lo. Durante o tempo em que essa pessoa estava aqui foi exatamente o que aconteceu. Houve um momento em que eu poderia jurar que iria perder o controle, mas o lado Olivia de Havilland falou mais alto e me salvou. Puxa, entendo quando você fala sobre “. Mas deu tudo errado, tudo tão errado que desde então, nunca mais me permiti amar alguém desse jeito. Hoje, consigo perceber que criei expectativas demais”. Acho que minha vida está resumida nesta frase, haha! Não sei porque ainda me dou o luxo de sonhar com coisas que nunca vão acontecer…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s