sobre escola, bullying e outras coisas…

Drags Race é um programa sensacional, fico agradecida à Jéssica por tê-lo RuPaul  = Drags Raceindicado. Passei o fim de semana revendo as temporadas e me emocionando com as histórias dos participantes. É admirável a forma que eles conseguem extrair alegria de suas tristes bagagens emocionais e familiares, que em sua maioria, são marcadas por preconceito e não aceitação. No episódio que assisti hoje, eles comentavam sobre bullying e tocaram em um assunto que me fez lembrar da minha época de escola.

Já contei por aqui que eu e a minha turma de amigas não fazíamos parte dos grupinhos “populares” e além da pouca vaidade, éramos as “gordinhas caxias”. Conversava com as minhas amigas que na nossa época falava-se pouco (ou quase nada) sobre o bullying e que, apesar desse nosso incômodo estar escancarado, não se via uma atitude por parte dos professores. Aliás, nós éramos um dos vários grupinhos que sofriam com aquilo, tinham os nerds, os “afeminados”, os mais pobres…

Tava lembrando de uma colega de sala de aula, nunca tivemos a oportunidade de conversar sobre isso. O fato é que ela zombada pelos outros alunos todo o tempo. Me formei no ensino médio há seis anos, já me esqueci de muitas coisas – e outras, são tão marcantes que é impossível apagar da memória. Lembro que essa colega trocava o “L” pelo “R”, falava pranta e brusa, ao invés de “planta” e “blusa”.

E, como se fosse ontem, lembro de uma professora debochando e fazendo com que ela repetisse a palavra na frente de todo mundo, várias vezes. Os meninos riam, e ela dizia… meio exausta e envergonhada: “não consigo, não consigo!”. Estudei em uma escola particular, repleta de alunos com boa situação financeira…. eram poucos (e imagino que ainda seja assim), que vinham de uma família mais simples…

escolaNão sei o que se passava com os professores, ou eles tinham algum receio em relação aos pais, ou não se importavam. Por fim, se tornavam convenientes com a situação porque eram a única autoridade na sala e mesmo assim não faziam nada.

Pois é… tô falando sobre isso porque, ao fazer uma rápida pesquisa no Google, encontrei um artigo escrito por Erika Strassburger, no “família.com” que me pareceu bem certeiro e didático. A vida da criança e do adolescente na escola é uma coisa muito séria, que merece ser acompanhada de perto pelos pais (não precisa ser um especialista para afirmar isso, né?)… No artigo, a autora apresenta algumas dicas para os pais, para que eles identifiquem indícios de que o filho está sofrendo bullying do próprio professor e ensina o que fazer nesses casos…conversar com o filho, com os outros pais e alunos, com os diretores… etc.

Vou deixar o link, caso vocês queiram ler, vale a pena… (clique aqui).