A melancolia de Pandora

A_melancolia_de_pandora__Jennifer_Glass_1-768x609

Nessa semana fui na pré-estreia de “A melancolia de Pandora”e saí de lá numa bad inexplicável. A peça conta a história de uma mulher depressiva que mergulha em suas memórias e alucinações. Ela quase nunca sai da cama e é observada de perto por três figuras: um anjo, por Doutor Rudolph Ahrisman, que se diz um libertador da mente humana e por Max (mordomo de Ahrisman). A todo momento, os pensamentos, as lembranças e as ações dessa mulher são contestadas e analisadas pelos outros personagens, que aos poucos vão influenciando-a em seu comportamento.

Como disse em outros textos publicados por aqui, poder ir a uma peça dessas me emociona muito; por diversos motivos. O principal deles é uma sensação que não pode ser materializada, é o efeito de uma mudança que tem impactado a minha vida em muitos sentidos e que me distancia das pessoas que mais amo, ao mesmo tempo em que me aproxima das coisas que mais admiro. É uma alegria que me cura a dor da distância,  um   momento que me faz acreditar que essa saudade enorme que sinto, tem um sentido… quero dizer, “um dia essa dor será útil”.

A_melancolia_de_pandora__Jennifer_Glass_3-768x512

Saí da peça muito confusa, com mais perguntas do que respostas. Cheguei em casa e precisei ler bastante para me localizar e entender o que se passou. Depois tudo fez sentido. Eu fiquei mesmo foi maravilhada com as músicas  e com o cenário que  se misturava com os atores como numa dança e ganhavam vida. A cama com rodinhas levada de um lado para o outro, o quarto que se movia e a luz que entrava pela janela criando sombras incríveis. E a roupa da mulher melancólica, um vestido que se parecia com uma camisa de força.  Eu fiquei pensando na genialidade de quem criou tudo isso e no trabalho que deve ter dado.

Como eu disse, eu fiquei bem confusa… mas saí da peça com uma sensação terrível. De tudo o que consegui entender na hora, o que mais me marcou foi o lance da “Esperança, esperança, esperança”, isso me fudeu. [Eu explico melhor no próximo subtítulo]. Outra coisa, toda hora que eu olhava para a mulher apática e a via com aqueles ombros caídos, e com os olhos meio perdidos, desanimados… eu ficava “o que isso quer dizer meu Jesus?”, daí fui ler sobre a melancolia e achei a representação tão, tão, tão perfeita! [Li um texto que relacionava a melancolia à Madame Bovary, de Flaubert].


Pandora, a caixa e a esperança (um resumo do resumo)

pandora

Depois da peça, a primeira coisa que fui ler foi sobre  Pandora (eu precisava comprovar se o lance da esperança era o que eu tinha entendido… e era). O mito é desencadeado com o roubo do fogo por Prometeus. Antes, o mundo era povoado apenas por homens que não envelheciam, não se cansavam e não sofriam. Depois que Prometeus rouba o fogo dos deuses e o dá para os homens, Zeus se enfurece e promete castigá-lo.  Com a ajuda de Atena e Hefesto, cria uma mulher chamada Pandora (dotada de beleza e sedução, porém com a capacidade de mentir e enganar) e a oferece para Epimeteu (irmão de Prometeus). Ele se apaixona por ela e se casa. Pandora trazia consigo um jarro presenteado por Zeus e estava proibida de abrí-lo. Ela não resiste a curiosidade e o abre, liberando uma série de males que os homens até então desconheciam:  a doença, a guerra, a velhice, a mentira, os roubos, o ódio, o ciúme… Assustada, ela fechou a jarra tão rápido quando pode e lá só restou uma coisa: a esperança.

  • A esperança pode ser encarada como uma coisa boa ou ruim, pelo que entendi… Nietzsche (1844-1900) em Humano, Demasiado Humano, escreveu que “Zeus quis que os homens, por mais torturados que fossem pelos outros males, não rejeitassem a vida, mas continuassem a se deixar torturar. Para isso lhes deu a esperança: ela é na verdade o pior dos males, pois prolonga o suplício dos homens”.

Freud explica: O luto e a melancolia

Baixar-Livro-Luto-e-Melancolia-Sigmund-Freud-em-PDF-ePub-e-Mobi-ou-ler-online

Então eu pulei para a segunda parte, já tinha entendido um pouco o lance da esperança, mas não tanto o da melancolia.  Eu acompanho o site do Lê livros semanalmente, achei coincidência que há poucos dias compartilharam o livro “Luto e Melancolia” de Freud. Pensei, “Caralho, é disso que preciso!” Comecei a leitura com muito medo, imaginando que não iria entender nada, mas até que compreendi algumas coisas. Antes, eu tenho que reconhecer o meu apreço por quem o editou, pela introdução, pelas análises e pelo posfácio, que foram fundamentais para que eu conseguisse entender: A introdução foi feita por Marilene Carone e há outros três textos, feitos por Maria Rita Kehl, Modesto Carone e Urania Tourinho Peres.

Enquanto lia esse livro, flashes da peça voltavam a minha memória e tudo ia se encaixando. Especialmente a representação da mulher. Eu li este livro pelo celular mesmo e para vocês terem uma ideia, fiz 86 marcações.

O luto e a melancolia se assemelham em algumas situações, porém a melancolia vai um pouco além. Nos dois há a dor de perder um objeto, mas o melancólico não sabe muito bem o que perdeu.  O luto é a reação de perder uma pessoa querida ou de uma abstração que possa ser colocada no lugar dela (como um ideal, a liberdade, a pátria).Na melancolia há uma predisposição patológica, veja só: “A melancolia se caracteriza por um desânimo profundamente doloroso, uma suspensão do interesse pelo mundo externo, perda da capacidade de amar, inibição de toda atividade e um rebaixamento do sentimento de autoestima, que se expressa em autorecriminações e autoinsultos, chegando até a expectativa delirante de punição”.  “No luto é o mundo que se tornou pobre e vazio, na melancolia é o próprio ego”.

-No  luto, a pessoa consegue pensar que está menos triste, consegue ir se desapegando do objeto perdido. Na melancolia, a batalha é mais acirrada em função da ambivalência, que pertence em si mesma ao reprimido.

a-melancolia-de-pandora-bete-coelho-djin-sganzerla-andrc3a9-guerreiro-lopes-e-ricardo-bittencourt-foto-jennifer-glassNa peça, a mulher sofre por perder alguém e sempre fala de um amor que viveu… mas fala desse amor de uma forma meio confusa, como se não soubesse muito bem como o perdeu. Ela também menciona os pais, representados  por dois bonecos, meio fantasmagóricos, que vivem em seu quarto (nossa, muito massa). O livro explica que a melancolia está muito relacionada aos sentimentos que o melancólico alimenta por outra pessoa, a quem o doente ama, amou ou deveria amar:

“Dessa forma, tem-se a chave do quadro clínico, na medida em que se reconhecem as autorecriminações como recriminações contra um objeto de amor, a partir do qual se voltaram sobre o próprio ego. A mulher que ruidosamente se apieda do marido por estar ele tão ligado a uma mulher tão incapaz, na verdade quer se queixar da incapacidade do marido, em qualquer sentido que esta possa ser entendida.” Para o melancólico, queixar-se é dar queixa: “Eles não se envergonham nem se escondem, porque tudo de depreciativo que dizem de si mesmos no fundo dizem de outrem.”

Daí surge uma reflexão muito interessante: o narcisismo dessa patologia. Freud trabalha muito com essa questão do ego e da libido.  Numa espécie de sadismo, o melancólico (numa tendência  ao ódio), tenta vingar-se do objeto amado através da autopunição,  “ele atormenta os seus seres amados através da condição de doente, depois de ter cedido à doença para não ter de mostrar diretamente a eles sua hostilidade”. “Freud estranha que falte ao melancólico o sentimento de vergonha comum aos arrependidos, aos que de fato se consideram indignos e sem valor. Se estes se escondem e tentam fazer calar sua culpa e seu crime, os melancólicos parecem sentir necessidade de alardear suas baixezas”.


Onde nos encaixamos nisso?

Stuart Hall explica: a identidade  cultural na pós modernidade

4

Ainda sobre Freud: ” Vem daí a importância do papel representado pelo melancólico, como um sujeito que teria perdido seu lugar no laço social e sente necessidade de reinventar-se, no campo da linguagem. Essa perda de lugar pode ocorrer quando o sujeito não se sente capaz de adaptar-se ás exigências do outro”

Acho que Stuart Hall pode entrar nesse tema quando trata da crise de identidade (tão normal em nossos dias, dessa nossa crise de não saber onde ir, da rapidez do dia-a-dia e da solidão que sentimos, nesse lance do sujeito perder os laços sociais: Ela caracteriza-se dessa forma: “perder o sentido de sí”. Deslocamento das estruturas e processos centrais da sociedade moderna. Abalo das referências que davam aos indivíduos uma ancoragem estável no mundo social. As identidades modernas estão sendo descentradas, isto é: deslocadas e fragmentadas. “A identidade somente se torna uma questão quando está em crise, quando algo que se supõe como fixo, coerente e estável é deslocado pela experiência da dúvida e da incerteza” – Kobena Mercer

O caráter da mudança na modernidade tardia: A questão da identidade também está relacionada ao caráter da mudança na modernidade tardia, em particular, ao processo de mudança conhecido como globalização e seu impacto sobre a identidade cultural:  para Marx, a modernidade – [é o] permanente revolucionar da produção, o abalar ininterrupto de todas as condições sociais, a incerteza e o movimento eterno. Todas as relações fixas e congeladas são dissolvidas, todas as relações recém formadas envelhecem antes de poderem ossificar-se. “À medida em que áreas diferentes do globo são postas em interconexão umas com as outras, ondas de transformação social atingem virtualmente toda a superfície da Terra”

Anúncios

One thought on “A melancolia de Pandora

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s